Fragmento de pega [direita] do 1º Roboteiro construído em Angola

AUTOR: Pedro Pires
DATA: 2022
TIPOLOGIA: Intervenção sobre utensílio de madeira
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2022.008
N.º DE CATÁLOGO: #062

Memória Descritiva

A peça criada, é uma adaptação de um formão antigo, dando-lhe uma aparência de potencial segmento de cangulo/roboteiro, tal qual se realiza para a construção de muitos dos veículos, com intensa apropriação de materiais e formas, bem como de outros objectos ao dispor.

A capacidade de utilização (e durabilidade) do cangulo/roboteiro é o objectivo principal, pelo que qualquer material que se possa incorporar, é tido em conta.

Pelo contexto mundial em 2022 (em particular a emergência e consequências da Guerra da Ucrânia) a possibilidade de também pela via artística se realizar uma chamada de atenção quanto à agressão da Federação Russa, foi um dos motivos da escolha deste elemento histórico (ainda presente) da vida de Angola.

A Falsidade Explicitada

Roboteiro o que é: Carro de mão feito com um pneu de um carro, madeiras e com 2 pegas paralelas, que é usado para transportar grandes volumes de carga, em pequenas distancias. Também é o nome pelo qual são conhecidos os condutores dos veículos. Por extensão, Rototeiro (ou, por vezes, Raboteiro), pode significar quer o condutor/função, quer o veículo.

Conhecimento do nome em Angola: Em Luanda diz-se que a palavra Roboteiro poderá ter surgido nos anos 80 durante a presença dos russos em Angola, que apoiavam Cuba na Guerra Civil de Angola. As histórias contam que os chefes russos diziam “rabota, rabota” aos trabalhadores angolanos, “trabalha, trabalha” e que essa palavra foi transformada a partir daí e usada para descrever estes carros de mão que povoam certas zonas da cidade onde é necessário transportar carga. 

Durante muitos anos, em Lisboa, caixotes com os pertences de retornados das ex-colónias ultramarinas, ficaram armazenados no Cais de Alcântara e num armazém da Rua da Junqueira, entre outros locais, sem serem requeridos. 

A origem da designação Roboteiro, a fazer fé nas informações recolhidas, parece estar na apropriação pela gíria luandense da palavra russa «robot» e na verbalização «robota/rabota» que significa desde trabalhor a servo, bem como trabalha e servidão: em súmula, uma ordem para desenvolver trabalho físico, braçal. A partir das informações prestadas por seis jovens roboteiros, activos em dois mercados de Luanda entre Setembro e Dezembro de 2003, foi possível esboçar um quadro descritivo que caracteriza o modo de exercício da actividade. A presença destes operadores é constatável nos mercados, nas suas imediações e em locais específicos na generalidade dos bairros periféricos. De acordo com a informação prestada pelo Administrador do Mercado, no Roque Santeiro e nas suas imediações operam diariamente cerca de 2 500 a 3 000 roboteiros. Se for tido em conta que estes operadores estão presentes em todos os mercados da cidade e que, para além da existência reconhecida oficialmente pela Direcção Provincial de Mercados e Feiras de trinta e cinco mercados, estão activos inúmeros outros mercados de menor dimensão espalhados pelos diferentes bairros da cidade, é possível estimar entre duas a três dezenas de milhar a dimensão deste segmento de actividade em Luanda. Uma característica particular deste tipo de operadores é que são exclusivamente homens e, na sua esmagadora maioria, muito jovens. Dos roboteiros entrevistados, o mais jovem afirmou ter quinze anos de idade, enquanto que o mais velho, proprietário de onze carrinhos de mão (cangulos), referiu ter vinte e quatro anos. Os informantes, maioritariamente não naturais de Luanda, apresentam um nível de escolaridade baixo. Dos seis informantes, dois admitiram não saber ler nem escrever e a 4ª classe foi o nível de escolaridade mais elevado, que um dos roboteiros afirmou ter concluído. A informação recolhida, através das entrevistas às administrações dos mercados, a comerciantes instalados nos mercados e a outras instituições que aí têm uma relevante intervenção social, e da observação directa, permitiu a constatação de que muitos dos jovens que desenvolvem esta actividade são crianças de rua, órfãos e deslocados de guerra, tratando-se igualmente de um grupo alvo onde se manifestam casos frequentes de consumo de droga (alguns dos comerciantes entrevistados referiram que os roboteiros andam quase sempre « ganzados » por cheirarem gasolina…).

Sobre Pedro Pires

Nascido em Luanda, (1978, Angola) Pedro Pires usa diferentes suportes, técnicas e objectos do dia a dia, que são fortemente utilitários e produzidos industrialmente. Desenvolve estratégias de comunicação, sendo a figura humana um elemento constante no seu trabalho. Há uma preocupação em pensar em questões locais e globais, usando referências de contextos populares, tradicionais ou estrangeiros. Na sua pesquisa flutua entre três assuntos principais: um sentimento de identidade deslocada; migração e direitos humanos. Estas três áreas, que estão interligadas, funcionam como âncoras para a sua prática artística e pensamento. Reflecte sobre a sua posição política, social e económica – que é díspar nos países dos quais tem nacionalidade, Angola e Portugal. Utiliza a sua experiência pessoal para questionar o mundo contemporâneo e criar paralelismos com assuntos do presente. Pretende questionar o presente para pensar sobre o futuro. A sua carreira artística estende-se por mais de 10 anos. Das exposições e projectos que participou destacam-se os seguintes locais: Museu de História Natural de Angola, Luanda, Angola; Museu de Belas Artes de Montreal, Canadá; 1:54 Art Fair, Somerset House, Londres, Reino Unido; Lagos Biennial, Nigéria; Cape Town e Joburg Art Fair, África do Sul; Poldra Festival de Escultura Pública, Viseu, Portugal; Lorne Biennale, Australia; ExpoChicago, USA; Arco Lisboa, Portugal; Gallery Momo, África do Sul; Festival Política, Lisboa, Braga e Évora, Portugal; Art Paris Grand Palais, França; Residência artística na Delfina Foundation, Londres, UK; Casa da Cerca, Almada, Portugal; Hangar, Lisboa, Portugal. Mestrado em Artes Visuais, 09/10, Central Saint Martins College of Art and Design, Londres, Reino Unido. Licenciado em Escultura pela Faculdade de Belas Artes de Lisboa em 2005, Portugal. Em 2004 obteve a bolsa Erasmus para a Faculdade de Belas Artes de Atenas, Grécia.
www.pedropires.pt
www.pedropires.pt

Esta peça foi criada para o Museu do Falso com o Apoio

Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google