Isqueiro e Relatório

AUTORIA: José Pedro Pinto
TIPOLOGIA: Ready-made
DATA: 2021
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2021.010
N.º DE CATÁLOGO: #037

Memória Descritiva

Em 26 anos a estar vivo, amei várias coisas. Raramente foram as que esperava amar ou as que acharia útil amar, se bem que por vezes os três fatores coordenaram-se. Não foi o caso do meu amor à ficção científica e ao terror. Felizmente, a idade ensinou-me a reprimi-lo menos.

São géneros que me dão, há muitos anos, a impressão de que, se tentasse, saberia escrever. Mas nunca me pareceu fazer sentido tentar, assumindo que ninguém iria ler. O Museu do Falso foi um pretexto. Obrigado.

A escolha da Fonte da Rua do Arco veio muito antes de imaginar a história que lá se passaria. O Rui sugeriu-me que pensasse num sítio de Viseu que estivesse ligado à minha história pessoal. Há vários, mas a Fonte da Rua do Arco foi onde me sentei em 2018 com uma amiga e a vi chorar. Eu fui a causa da tristeza dela, e na altura pareceu-me inconcebível que existisse essa possibilidade.

O isqueiro foi comprado em 2016 numa papelaria ao pé da Universidade onde estudei no Porto, para uma curta-metragem que realizei e que enterrei num disco externo para não voltar a ver. Na altura era uma metáfora para a minha vontade de acender alguma chama dentro de mim. O isqueiro não funciona, ou pelo menos eu nunca percebi como o ligar. Talvez precise de um pretexto?

A Falsidade Explicitada

A Fonte da Rua do Arco é factual, bem como as indicações históricas e descritivas presentes no texto. A estrutura textual, dividida em descrição, história, protocolo de contenção, transcrição de missão e notas finais é diretamente inspirada das formas dos contos do djkaktus no site scp-wiki.wikidot.com, principalmente do conto What Happened to Site-13?.

Sobre José Pedro Pinto

Licenciado em Cinema e com formação em guitarra clássica pelo Conservatório Regional de Viseu. Colabora voluntariamente com o Cine Clube de Viseu desde 2013, profissionalmente desde 2018. Trabalha desde 2019 como músico freelancer, contando desde então com atuações a solo em salas como o Carmo’81, ACERT Tondela e Avenida Café- Concerto. A sua música original combina o som clássico com a severidade da guitarra acústica de 12 cordas e a imponência do órgão de tubos. Está atualmente a concluir um álbum de música original escrita e gravada no histórico órgão barroco da Igreja da Misericórdia de Viseu.
www.lilianavelho.com

Esta peça foi criada para o Museu do Falso e teve como Parceiro Institucional

Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google