Pagela “Oração às Deusas e deuses vissaieigenses”

AUTOR: Rosário Pinheiro
TIPOLOGIA: Pagela
DATA: 2021
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2021.004
N.º DE CATÁLOGO: #031

Memória Descritiva

Representação, através da ilustração digital, de 3 deuses pagãos, com utilização de motivos gráficos místicos, naturais e abstratos.

A Falsidade Explicitada 

Em 2009 é descoberta a Ara, um altar de pedra com cerca de 2 mil anos, que se refere “às deusas e deuses vissaieigenses”. Quem seriam estes deuses e qual seria a sua possível representação? Para entender melhor as divindades ancestrais, recorreu-se aos escritos de Leite de Vasconcelos, um arqueólogo e etnógrafo nascido em Tarouca, que descreve os deuses lusitanos, na era proto-histórica. Diz Vasconcelos em Religiões da Lusitânia, que “o naturalismo e o animismo primitivos” orientaram os cultos, sendo a Natureza a fonte mais fecunda das crenças do povo. A costa marítima e os rios eram adorados, havendo deuses primários e secundários, ninfas, lares, etc. Existiam sacrifícios humanos, e leitura de estrelas para adivinhação. A natureza, a fertilidade e o conflito eram os temas principais. Quando o Cristianismo sucede ao paganismo, este sobrevive “nos simpáticos deuses tópicos, tão queridos do povo simples, que se transformaram em santos patronos”. A partir destas e outras descrições dos cultos pagãos na Península Ibérica, foram representados 3 deuses desconhecidos (sem nome) com uma simbologia específica, o octógono (referência à Cava de Viriato) que pertence a dois deuses siameses, uma espécie de ying e yang das relações humanas, o círculo, acompanhado da deusa que representa a fertilidade e os ciclos naturais da vida, e finalmente o quadrado, associado ao deus/deusa da guerra e da defesa. Estes deuses são entidades abstratas, que, em unidade, representam uma existência terrena e mística, fazendo parte de um culto pagão inventado, em que o centro da adoração é a Natureza, de onde o Homem nunca se afasta nem desassocia. A oração que os acompanha, sugere que as preces desta época seriam por boas condições climatéricas e de trabalho, sorte, sabedoria, paz e felicidade. Necessidades básicas, humanas e intemporais.

Sobre Rosário Pinheiro

Viseu 1988, Designer Ilustradora e Cozinheira.
Cresceu 4 cm aos 23 anos.
www.behance.net/rosariopinheiro
Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google