Poema Inédito de
Judith Teixeira

AUTORA: Ana Seia de Matos
TIPOLOGIA: Poema e desenho
DATA: 2012
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2012.003

Memória Descritiva

Ao escolher a escritora Judith Teixeira, inteirei-me primeiro do que foi a sua vida e a sua obra. Por ser uma autora pouco conhecida em Viseu, achei que seria curioso se se encontrasse um texto inédito, que a desse a conhecer novamente ao público, apesar de falso.

Restava-me então decidir de que forma teria sido encontrado o documento, sendo que depois decidi passarem a dois documentos (um perfil desenhado e o poema dactilografado). Ao criar a história da descoberta, achei que enriqueceria a peça, em termos de instalação, introduzir um elemento que “confirmasse” a realidade da história e optei pela gaveta velha e suja, testemunha da passagem do tempo.

Por Judith Teixeira ter sempre o elemento natural muito presente nos seus poemas, assim como as suas manifestações mais violentas, como as tempestades e os ventos, etc, fazia sentido para mim que a peça estivesse no exterior.

A gaveta exposta aos elementos, e os papéis, apesar de protegidos pela placa em acrílico, também sujeitos à acção da luz do sol, uma vez que o sítio escolhido estrategicamente, a partir de uma determinada hora da tarde, é bastante fustigado por esta luz.

Para concretizar estas ideias foram usadas ripas de madeira e uma placa também de madeira. Após serem montadas em duas estruturas autónomas foram pintadas de branco. Foi comprada também uma placa em acrílico. Estes três elementos compõem as estruturas onde estão expostas as peças “descobertas”. Uma corrente liga a placa em acrílico a uma das estruturas em madeira. As peças a expor são uma gaveta antiga e gasta, pregada na placa de madeira e dois papéis amarelecidos presos no interior da placa em acrílico.

A Falsidade Explicitada

Judith Teixeira é um nome importante na literatura portuguesa, não obstante a escassa produção literária. Copiosamente atacada, vilipendiada mesmo por alguns “produtores da moralidade”, espanta, à distância de pouco menos de um século, que a sua acção produtiva e subtilmente insubmissa seja ainda pouco lembrada porque tão estranhamente esquecida. E, pensando bem, esta marginalização misógina aconteceu ainda na laica República da década de vinte do mesmo século, assim se comprovando os estranhos labirintos de uma instauração há pouco festejada.

Nascida em Viseu, no dia 25 de Janeiro de 1880, foi baptizada na Sé Catedral da cidade, em 1 de Fevereiro desse ano, estigmatizada desde logo por ser filha natural da solteira Maria do Carmo. Depois de acções judiciais por si intentadas, é perfilhada, em 1907, pelo alferes de infantaria Francisco dos Reis Ramos, passando a usar como nome completo Judith dos Reis Ramos. E assim viveu na cidade de Lisboa, primeiro, na rua do Arco do Carvalhão, e depois, na rua Rodrigo da Fonseca, onde viveu com o primeiro marido, Jaime Levy Azancot, até à dissolução do casamento em 1913, tendo a futura poetisa ficado acusada de adultério e abandono do lar. (…)

Fonte: Viseupédia, n.º3, Martim de Gouveia e Sousa.

Sobre Ana Seia de Matos

Nasce em 1981, Lisboa. Cresce em Viseu e em 2004, licencia-se em Design de Interiores pelo Instituto de Artes Visuais Design e Marketing, em Lisboa, e pela Facoltá Di Architettura do Politécnico Di Milano, em Milão.
Como Designer de Interiores trabalhou em várias lojas de decoração em Viseu e no Porto e, em 2006, teve a sua obra exposta na Exponor. Em paralelo, desenvolve o seu interesse pela arte com ilustração e instalações artísticas, participando em mais de 10 exposições entre 2011 e 2016, levando dessa maneira o seu trabalho ao Teatro Viriato, Teatro Nacional D. Maria II, Jardins Efémeros, Museu Grão Vasco, Galeria Saguão, Quinta da Cruz, entre outros.
O interesse pela fotografia e vídeo valeram-lhe distinções no festival de curtas-metragens Vistacurta, com uma menção honrosa em ficção (2012) e melhor curta-metragem experimental (2013); integrou o grupo vencedor do 48 Shortmedia (2013); arrecadou o 1.º lugar no concurso fotográfico da Feira de São Mateus (2012) e venceu a 5.ª Maratona Fotográfica Fnac (2013), expondo o seu trabalho.
Como Designer de Peças trabalhou para várias entidades, incluído a Fnac de Viseu, a Associação Gira Sol Azul, entre outras.
Trabalhou igualmente em cenografia, nomeadamente no Projecto T, desenvolvido pela Fundação Lapa do Lobo (2015 e 2016) e para a peça de teatro “Museu da Existência” da Amarelo Silvestre – Associação Cultural (2016).
Como formadora tem tido a oportunidade de leccionar em oficinas dedicadas a crianças e adolescentes.
Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google