A Arma Perdida de João Brandão

AUTOR: Luís Belo
TIPOLOGIA: Carta e Linogravura
DATA: 2012
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2012.002

Memória Descritiva

A história de Brandão tem vindo a interessar-me aos poucos. O ladrão inspirou até cantos entre a população aquando a sua condenação ao degredo em África. Ao saber que o mesmo ter-se-á escondido várias vezes por um Hotel em Viseu, isso foi o suficiente para despoletar o resto da história: a Arma Perdida alegadamente encontrada por um tal de Paquete da Silva que não só escreveu uma carta de chantagem como fez também uma linogravura da mesma.

O processo de construção foi relativamente simples. A placa de linóleo foi propositamente mal gravada, simulando alguém tosco na técnica, já a impressão sem uma prensa adequada resulta num aparente desgaste, importante neste contexto. Quanto à carta essa foi escrita à máquina e o papel foi envelhecido com café, alguns vincos e dobras.

O resultado final surge com intuito de dar a conhecer a personagem a quem dela ainda não ouviu falar e associá-la, de um modo muito directo, a Viseu.

A Falsidade Explicitada

João Brandão existiu, isso é ponto assente. É também verdade que aos 12 anos cometeu o seu primeiro assassinato de uma forma terrivelmente fria. É verdade que fez a sua vida assaltando e assassinando e será também verdade que passou várias vezes em Viseu onde se terá escondido por diversas ocasiões. Todo o episódio da arma perdida é falso, a chantagem de Paquete da Silva não existiu, embora as armas de Brandão tenham sido bem reais, tal como os cânticos que se fizeram em seu nome aquando a condenação ao degredo em Angola: “Lá vai o João Brandão / A tocar o violão / Casaca da moda na mão / Atão Atão Atão / Tré tré olaré tré tré / Era a moda do meu pai / Oh pastor, lavrador, enganador / rinhinhó, rinhinhó, ó-ó-ó, ó-ó-ó”.

Sobre Luís Belo

(Viseu, 1987) é designer gráfico, fotógrafo, ilustrador e artista. Formou-se em Artes Plásticas e Multimédia pela Escola Superior de Educação de Viseu. Como fotógrafo, viu o seu trabalho ser reconhecido ao vencer prémios atribuídos pela Canon, Fnac, Fujifilm, P3, Gerador e outros. Com a criação do projeto editorial “Medíocre”, publica dois ensaios fotográficos: “Emergir” (2012) e “Cidade Nenhuma” (2014). Em 2020 é coordenador editorial e fotógrafo em duas publicações “Neo-Topografia Gráfica e Descritiva de Monumentos e Memoriais Viseenses” (com Rui Macário); e “Um Olhar de Fora Dentro – Instameet Viseu”. No entanto, a atividade deste autor expande-se para lá da fotografia. Enquanto ilustrador tem 6 obras publicadas sob várias chancelas, incluindo a Editorial Presença. Organizou mais de 160 sessões de curtas-metragens em Viseu.
Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google