“Espirro do Besteiro”

AUTOR: Desconhecido
TIPOLOGIA: Têxtil entranhado
DATA: séc. XII
N.º DE CATÁLOGO: #048
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2021.021
PROVENIÊNCIA: Privada

Contextualização

Quis este lenço de linho amarfinado, cromaticamente bordado, pôr fim à dúvida existencial que o timbrava com uma inesperada e inédita aparição em 1951. Local: Caramulo, Junta de Turismo, Salão de Exposições.

Assaz referido em cantigas, testamentos e crónicas a partir do final do século XII, o «Espirro do Besteiro» foi considerado pelos mais ilustres eruditos como um enigma. Ninguém sabia que forma tinha porque não havia imagens ou descrições. Sabia-se apenas que possuía poderosas «bruxarias»: propriedades mágicas e propiciadoras do bom sucesso, da boa sorte, da boa saúde e da boa morte.

Os movimentos expedicionários pelo achamento do artefacto reacenderam em 1919, quando José Júlio César, jornalista e reputadíssimo advogado de Viseu, publicou o artigo «O divino manifesta-se no Espirro do Besteiro», n’O Comércio de Viseu.

Na altura, surgiu a hipótese de algures no século XIII ter havido um erro de transcrição e a designação correta ser espírito e não espirro.

O historiador tondelense Amadeu Ferraz de Carvalho matou a polémica quando encontrou um velino de 1185 no Paço de Molelos. Sine dubio, a designação era «Espirro do Besteiro». Sem dúvida também, era utilizada no século XII e o lenço pertenceu a um besteiro herói da Reconquista que criou raízes nos territórios que portam hoje o determinativo «de besteiros».

Desconhece-se, todavia, a origem da designação. Especula-se que o Besteiro tivesse o tique de espirrar e que, com esse tique, esconjurava a má sorte. Por um processo osmótico, morto o Besteiro em 1185, o lenço encarnou a mesma propriedade benfazeja, tornando-se numa relíquia universalmente cobiçada, sobretudo contra a pobreza e a doença.

Em 1939, o arqueólogo Almiro do Vale localizou no Botulho um ancião que atestava que o «Espirro do Besteiro» fora levado para as Paredes do Guardão no final do século XIX por um homem que subiu à serra depois de a água ferruginosa do Barreiro de Besteiros não ter destruído a tuberculose que roía o pulmão esquerdo.

A informação foi um rastilho de pólvora. Para muitos, o extraordinário desenvolvimento do Caramulo como uma bela estância para a cura da tuberculose, única na Península Ibérica, com os seus sanatórios e equipamentos médicos de ponta, ruas pavimentadas, saneamento, água canalizada, comércio e belíssimos chalés, era prova irrefutável de que o «Espirro do Besteiro» estava ali.

Houve até quem arriscasse a portentosa afirmação que Jerónimo Lacerda, dito fundador da Estância Sanatorial do Caramulo, era a reencarnação do Besteiro.

Aí por 1947, entrou em cena Abel de Lacerda como diretor da Estância Sanatorial. Eximíssimo farejador de antiguidades, foi ele a encontrar o artefacto e a apresentá-lo ao Mundo na Exposição de Arte Sacra do Concelho de Tondela (Junta de Turismo do Caramulo, 1951), depois de autenticado por Luís Reis Santos, historiador de arte, e Jacques Kugel, antiquário parisiense.

Como, onde e quando Lacerda o encontrou ignora-se. Fez tabu e isso levou-o a uma batalha campal na imprensa e no Parlamento em torno da propriedade e da preservação do património cultural e dos tesouros nacionais.

Finda a exposição de arte sacra, o artefacto foi incorporado na coleção do Museu do Caramulo, fundado pelo mesmo Lacerda e inaugurado em 1953.

Estudos de toda a variedade e ângulos foram então realizados.

A descoberta revolucionária coube ao especialista Reynaldo dos Santos: o «Espirro do Besteiro» é o antepassado direto dos «Lenços dos Namorados» de Viana do Castelo. A conclusão resultou de análises etnopictográficas e histórico-geográficas comparativas ente o lenço medieval e o exemplar mais antigo conhecido dos lenços de Viana. O intuito propiciador comum, a tipologia e a morfologia dos bordados e as origens ancestrais da comunidade de Viana do Castelo nas Terras de Besteiros, de onde levou o nome Castelo (de Castelões, no sopé da serra do Caramulo), constituem provas consideradas irrefutáveis pelo investigador.

Nos conturbados anos que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, o «Espirro do Besteiro» desapareceu do Museu do Caramulo. Correram várias versões do facto, coincidentes num ponto: o artefacto saíra do Caramulo e daí o arruinamento em que caiu.

Recentemente, as redes sociais encheram-se de sebastianistas que juram que o «Espirro do Besteiro» regressou à terra e que isso explica o progresso prenunciado por todo o tipo de autoridades e investidores.

Verdade é que foi visto fisicamente pela última vez no Museu do Falso.

Folha pautada de caderno, provavelmente dos anos 1950, manuscrita aleatoriamente e na qual Abel de Lacerda reproduziu, com traço rápido, alguns motivos bordados no lenço no século XII e, entretanto, desaparecidos. A folha foi encontrada no seu arquivo pessoal.

Anotações cursivas na sua agenda indicam que o lenço apresentava vestígios cromáticos dispersos e apenas visíveis a raios X. A análise foi efetuada nos aparelhos Siemens existentes na Estância Sanatorial do Caramulo. Desconhece-se o paradeiro da chapa.

O esquema é uma reconstrução conseguida através da conjugação de vários vestígios parcelados. Os motivos repetir-se-iam.

Representam duas figuras de traços simplificados, uma masculina (o Besteiro) e uma feminina. Dois pequenos símbolos, sob um X, assemelham-se aos pictogramas utilizados atualmente nas etiquetas do vestuário e cujo significado é «não lavar com água» e «não lavar a seco».

Esta incorporação, no acervo do Museu do Falso, teve como Parceiro Institucional

Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google