Vitrine com documentação Relativa à Construção da Salva Rainha

AUTOR: Carlos Rodrigues
TIPOLOGIA: Construção na paisagem
DIMENSÕES: Vitrine: 42x32x14cm.
Fotografia: 10x15cm. – Foto de uma escada usada na construção da Salva Rainha, por Carlos Rodrigues.
Mapa: 16x15cm. Mapa de Angola usado por Carlos Rodrigues, com anotações.
Caderno: 21×15,5x2cm. Diário de viagem com esboço das pedras.
DATA: 1975
N.º DE CATÁLOGO: #043
N.º DE INVENTÁRIO: MF.2021.016
PROVENIÊNCIA: Germano Rodrigues (filho de Carlos Rodrigues)

Contextualização

No ano de 1971, Carlos Rodrigues chega a Angola, com 18 anos acabados de fazer. Tinha sido destacado para o exército português, a 7 mil quilómetros de casa. Partiu para o desconhecido.. Depois de 9 dias e 9 noites no paquete Vera Cruz, foi recebido por um país húmido, espaçoso, excessivo. Passa alguns meses na província de Malange, para fazer o treino que antecedia o primeiro serviço enquanto recruta. Num raro dia de folga, vai sozinho conhecer as pedras de Pungo Andongo – uns extensos corpos rochosos monolíticos com milhões e milhões de anos, que se elevam bem acima da savana que os rodeia, a tentar alcançar o céu. Sente-se estranho, como se tinha sentido desde que deixara Lisboa para trás, mas desta vez era uma estranheza boa. Sente-se em casa. Tem o ímpeto de subir onde conseguia chegar, de explorar, reter tudo o que vê. Descobre, pela primeira vez, que não se pertence às geografias, que os lugares são plásticos e mutáveis, que se pertence aos sentimentos que eles provocam. Estava esmagado por tudo o que os seus olhos viam. Em Pungo Andongo, encontra também uma pegada gravada na pedra, com dimensões sobrenaturais. Mais tarde, conhece todos os mitos e lendas, que dizem que esta pegada pertence à Rainha Ginga, mulher mágica e poderosa que se tornou um símbolo de um país e de uma cultura.

Carlos Rodrigues chega a Portugal 4 anos depois, com a indisputável certeza de que nunca mais regressará ao calor de Angola. Há, contudo, uma vontade que não o abandona, por mais que a tente sacudir: recriar aquelas pedras e a mística daquele lugar na sua aldeia de origem, Alhais de Cima. É uma homenagem, uma forma de unir estes dois pontos do globo que o tinham marcado tanto. Sabe que só consegue trazer até si o que tinha vivido em Pungo Andongo se construísse a sua versão daquele sítio, mesmo a uma escala muito menor. É mesmo isso que faz, pega no seu diário de viagem, nos esboços que tinha feito e põe mãos à obra.

O terreno foi, sem dúvida, a parte mais simples do processo. Tinha, por coincidência, herdado uma parcela grande de terra, a oeste de Alhais de Cima, que estava na sua família há gerações e gerações. Fica num planalto de onde se avistam as aldeias e os terrenos a norte, só tem de ser limpo. O verdadeiro desafio é movimentar as rochas para o local, juntá-las para dar forma ao seu projecto.
Sobre esta parte do projecto de Carlos há poucas informações, sempre foi uma parte da história que ocultou a tudo e a todos, até à família.

Este lugar quase sagrado pode ser visitado até hoje e o nome dado por Carlos Rodrigues ainda persiste – Salva Rainha.

Peça Anterior
Peça Seguinte
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from Youtube
Vimeo
Consent to display content from Vimeo
Google Maps
Consent to display content from Google